Notícias

09/02/2021

Provopar precisa de mais doações para atendimentos emergenciais

Há mais de 40 anos, o Provopar Estadual trabalha intensamente para atender às famílias vulneráveis que passam por necessidades relacionadas à falta de alimentos básicos e de produtos importantes para a sobrevivência. As demandas chegam diariamente na forma de pedidos dramáticos, que muitas vezes vem de um pai desempregado ou de uma mãe desesperada em busca de doações que vão ajudar a alimentar a família por alguns dias.

São solicitações feitas inclusive por instituições sociais responsáveis pelo atendimento das famílias já cadastradas para receber doações. Parte do que é doado se transforma em refeições que diariamente são servidas aos participantes de projetos sociais, que vão desde ações de recuperação de dependentes químicos, passando por atividades socioeducativas que envolvem adolescentes e crianças retiradas das ruas.

A continuidade do atendimento emergencial mantido pelo Provopar, em todas as regiões do estado, depende de doações feitas por pessoas da comunidade e por empresas responsáveis, que acreditam na causa defendida, há quatro décadas, com responsabilidade, eficiência e dedicação. “Por isso, convidamos a todos que queiram nos apoiar nessa missão de ajudar os mais necessitados e venham fazer parte da nossa rede de colaboradores voltados a minimizar o sofrimento e matar a fome de quem tem fome”, diz a presidente do Provopar, Carlise Kwiatkowski.

COMO PARTICIPAR – Toda e qualquer forma de ajuda é sempre bem-vinda. Pode ser feita pelo repasse direto de doações na sede do Provopar, que fica na Rua Hermes Fontes, 315, no bairro Batel, ou no barracão da Rua Sergipe, 1.674, na Vila Guaíra, em Curitiba. Outra forma de contribuir é por meio de depósitos ou transferência bancária. Os recursos serão destinados aos projetos sociais e para a compra de alimentos para compor as cestas básicas.

Quer saber mais? Acesse: www.provoparestadual.org.br

***

Fonte: Zac Lucatelli

Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.